O que é migração de dados? | Definição e processos comuns

A migração de dados é o processo de mover informações digitais para um local (como armazenamento em nuvem), aplicativo, banco de dados ou ambiente de computação diferentes.

Objetivos de aprendizado

Após ler este artigo, você será capaz de:

  • Definir migração de dados
  • Explicar cinco tipos diferentes de migração de dados
  • Explorar o que um plano de migração de dados inclui
  • Descrever os processos básicos de migração de dados

Conteúdo relacionado


Quer saber mais?

Assine o theNET, uma recapitulação mensal feita pela Cloudflare dos insights mais populares da internet.

Consulte a política de privacidade da Cloudflare para saber como coletamos e processamos seus dados pessoais.

Copiar o link do artigo

O que é migração de dados?

A migração de dados é o processo de selecionar, preparar e mover dados existentes de um ambiente de computação para outro. Os dados podem ser migrados entre aplicativos, sistemas de armazenamento, bancos de dados, data centers e processos corporativos.

As metas e os processos de migração de dados de cada organização são únicos. Eles devem considerar muitos fatores, como custos, tempo, requisitos técnicos, impacto nas operações corporativas, possibilidade de perda de dados, requisitos de conformidade e muito mais.

Por que as empresas migram os dados?

As empresas podem realizar projetos de migração de dados por vários motivos, como, por exemplo, para:

  • Reduzir os custos de mídia, armazenamento ou outros equipamentos de TI
  • Expandir e escalar a capacidade de armazenamento
  • Aprimorar a experiência digital ou no site dos clientes
  • Centralizar e simplificar o gerenciamento de dados
  • Acelerar o desempenho dos aplicativos
  • Mesclar dados de uma aquisição de empresa
  • Atender a novos requisitos de conformidade ou segurança
  • Aprimorar os recursos de análise de dados e geração de relatórios

Considere o seguinte exemplo: quando alguém compra um novo computador, geralmente prefere instalar as versões mais recentes do software e apenas copiar os arquivos mais importantes do computador antigo. A adição de um excesso de software e arquivos obsoletos ocuparia o espaço de armazenamento desnecessariamente e deixaria o novo dispositivo mais lento. Da mesma forma, a migração eficiente de dados garante que o novo sistema esteja utilizando dados limpos, extraídos e transformados de forma correta.

A migração de dados pode ser um facilitador importante da transformação digital. O uso da tecnologia digital para modernizar as cargas de trabalho e os processos das empresas. Muitas vezes, ela caminha lado a lado com a migração para a nuvem, especificamente para garantir que nenhum dado desatualizado ou corrompido seja migrado para a nova infraestrutura de nuvem de uma organização.

Quais são os principais tipos de migração de dados?

Os data centers armazenam arquivos ou bancos de dados usados por aplicativos de software, que impulsionam os processos e os fluxos de trabalho das empresas. Dessa forma, a migração de dados é comumente categorizada em cinco tipos:

  1. Migração de armazenamento: transfere dados de uma mídia de armazenamento para outra. As organizações podem mudar os formatos de mídia física (como de papel para arquivos digitais ou unidades de disco rígido), ou de armazenamento no local para armazenamento em nuvem . Os dados também podem ser migrados entre um ou mais sistemas de armazenamento em nuvem. Após uma migração de armazenamento, a forma como os dados são acessados muda, embora os dados em si não mudem.
  2. Migração de aplicativos: transfere aplicativos de software de um ambiente de computação para outro. Isso pode incluir a migração de programas de aplicativos de um servidor no local para um ambiente de nuvem, entre nuvens (por exemplo, do AWS para o Microsoft Azure) ou a atualização de um aplicativo e a desativação do antigo.Como cada aplicativo tem um modelo de dados exclusivo, o formato dos dados (bem como a forma como são visualizados pelos usuários finais) pode mudar durante a migração de um aplicativo.
  3. Migração de processos de negócios: transfere aplicativos ou bancos de dados (como uma plataforma de CRM ou ERP) que são operados por seres humanos para produzir um serviço para os clientes. A migração de um processo de negócios geralmente é motivada por uma fusão, aquisição ou reorganização da empresa.
  4. Migração de banco de dados, às vezes também chamada de migração de esquema, move dados entre dois ou mais bancos de dados. Os bancos de dados são gerenciados com sistemas de gerenciamento de banco de dados (DBMS), como Oracle, MySQL, PostgreSQL e outros, de modo que a migração de bancos de dados pode significar a mudança de um DBMS para outro ou a atualização para uma versão mais recente do DBMS.
  5. Migração de data center: refere-se à transferência de ativos de um data center para outro local ou ambiente operacional. A migração de um data center é particularmente complexa porque os data centers incluem ativos de TI que armazenam, recuperam, distribuem ou arquivam dados e aplicativos. Dependendo dos objetivos da organização, a migração de data center pode envolver a mudança completa do hardware físico, máquinas virtuais ou soluções em nuvem.

O que envolve o processo de migração de dados?

Não existe um processo "único" para todos os tipos de migração de dados. No entanto, um plano completo de migração de dados contém três fases, que incluem vários outros componentes e estágios.

  1. Pré-migração
  2. Migração ("ativação")
  3. Pós-migração (teste/auditoria)

Pré-migração (planejamento/descoberta)

A pré-migração é a fase inicial de planejamento, que garante que a migração ocorrerá sem problemas e visa minimizar os riscos. Durante essa fase, as equipes de migração de dados estabelecem os objetivos do projeto, o escopo, o pessoal/recursos necessários e os requisitos críticos.

As tarefas de pré-migração podem incluir (mas não estão limitadas a):

  • Avaliação (criação de perfil) de fontes, destinos e formatos de dados
  • Inspecionar a qualidade, as anomalias ou as duplicações dos dados
  • Identificação de usuários afetados e possíveis interrupções
  • Definição de requisitos de hardware, software e segurança
  • Determinação dos custos, da equipe e das ferramentas de migração de dados necessárias
  • Definição de um cronograma de conclusão da migração
  • Limpeza ou reformatação de dados
  • Fazer o backup dos dados e determinar o que fazer com os dados obsoletos
  • Decidir sobre a abordagem específica (descrita na próxima seção)
  • Criação de planos de mitigação de riscos e de comunicação com as partes interessadas

Migração ("ativação")

Depois que o plano é criado, as permissões corretas são garantidas e todos os dados estão prontos para serem migrados para o sistema de destino, a migração real dos dados começa. A execução da "ativação" pode incluir:

  • Carregamento das permissões e configurações necessárias
  • Testar a migração com um espelho do ambiente ativo
  • Implementar as políticas de migração de dados e as regras de segurança
  • Testar os dados no novo sistema para garantir sua precisão
  • Correção de problemas de migração
Existem algumas estratégias específicas para a migração de aplicativos para a nuvem, como re-hosting (também chamada de "lift and shift"), a rearquitetura, a reformulação da plataforma e outras. Leia "O que é migração para a nuvem?" para saber mais.

Pós-migração (validação)

A migração de dados não está concluída após o "acionamento do interruptor". Os resultados da migração devem ser auditados e validados para garantir que tudo tenha sido transferido e registrado corretamente.

Quando a auditoria pós-migração for considerada bem-sucedida, o sistema antigo poderá ser desativado.

Abordagens comuns de migração de dados

Em uma migração de dados, as organizações podem decidir migrar um sistema para outro ou mesclar dois sistemas em um novo. Seja qual for a estratégia escolhida, há duas abordagens comuns de migração de dados.

Migração "big bang": a migração de dados "big bang" move um conjunto de dados inteiro em uma fase do sistema legado para o novo sistema de destino. Normalmente, essa migração ocorre durante um período de inatividade planejado (como um fim de semana ou feriado).

Prós:

  • Requer um cronograma de implementação mais curto
  • Os usuários não precisam alternar entre dois sistemas diferentes
  • Custo potencialmente menor, pois não é necessário manter os dois sistemas simultaneamente

Contras:

  • Aumenta a carga sobre as fases iniciais de planejamento, desenvolvimento e teste
  • Os usuários têm pouco tempo para se familiarizar com o novo sistema
  • As falhas em uma parte do sistema podem causar problemas em outras, exigindo uma reversão completa para o sistema antigo.

Migração "gradual": as empresas globais ou os provedores de infraestrutura crítica que precisam evitar períodos de inacessibilidade de dados podem buscar uma migração de dados de "gradual". Essa abordagem em fases empacota e transfere dados em incrementos menores.

Prós:

  • Pode ocorrer praticamente a qualquer momento
  • Dá aos usuários finais mais tempo para aprender e se adaptar ao novo sistema
  • As falhas em uma parte do sistema têm menos impacto em toda a organização

Contras:

  • Requer mais sincronização em toda a organização
  • Possível confusão do usuário final ao alternar entre sistemas
  • Custos potencialmente mais altos decorrentes da operação do sistema antigo e do novo por um período

Migração de dados versus integração de dados

A migração de dados e o termo "integração de dados" às vezes são usados de forma intercambiável, mas são distintos. Diferentemente de um projeto de migração de dados, que ocorre apenas uma vez, a integração de dados é um processo contínuo que envolve alterações incrementais nos dados. Além disso, ao contrário da migração de dados, a integração de dados pode combinar dados que residem em diferentes locais em uma visão unificada.

A migração de dados pode ser um marco importante para as iniciativas de integração de dados. Por exemplo, uma empresa pode migrar grandes quantidades de dados não estruturados (como músicas, vídeos e imagens) para um novo serviço de armazenamento de objetos, mas integrar esses dados a uma ferramenta de processamento de mídia hospedada em outro local.

A Cloudflare pode ajudar na migração de dados?

O Cloudflare R2 é um armazenamento de objetos distribuído globalmente, compatível com o AWS S3, que permite aos desenvolvedores armazenar grandes quantidades de dados não estruturados com taxas de saída zero. O R2 permite que os clientes migrem de forma rápida e fácil objetos de dados armazenados em outros provedores de nuvem para um bucket R2 de sua escolha, com o R2 Migrator (também conhecido como Super Slurper).

O Cloudflare D1, um banco de dados SQL na borda, também permite que os desenvolvedores importem diretamente as tabelas SQLite existentes e seus dados.

Saiba mais sobre a plataforma para desenvolvedores da Cloudflare.