theNet by CLOUDFLARE

Aumentar a confiança organizacional com o Zero Trust

A segurança está no centro da confiança do consumidor

Para organizações de todos os tamanhos e setores, a falta de confiança pode se tornar uma grande despesa. Para criar e manter a confiança, as organizações devem reconhecer que a segurança não pode ser uma reflexão tardia, mas sim um elemento fundamental que precisa estar no centro de suas operações.

As organizações colheram os benefícios e as oportunidades da transformação digital. No entanto, isso também tornou as organizações mais vulneráveis a ameaças e ataques cibernéticos. O roubo de dados, os ataques de ransomware, as violações da cadeia de suprimentos e outras formas de ameaça não apenas resultaram em perdas financeiras, mas também destruíram a confiança do cliente. Esses incidentes afetam as relações comerciais com clientes, funcionários, parceiros e fornecedores, entre outras partes interessadas. As organizações devem perceber que as violações de segurança têm repercussões não apenas financeiras, mas também prejudicam a reputação e a confiança, afetando as oportunidades comerciais e de clientes.

Relatórios recentes destacaram o impacto negativo da ameaça cibernética e dos ataques às organizações. De acordo com o estudo sobre o custo de uma violação de dados em 2023 da IBM e do Ponemon Institute, o custo médio por violação de dados em todo o mundo atingiu um recorde de US$ 4,45 milhões, o que enfatiza a necessidade urgente de as organizações priorizarem a segurança e tomarem medidas proativas para mitigar os riscos cibernéticos.



Criação de uma cultura que prioriza a segurança

Uma cultura que prioriza a segurança é aquela em que a segurança é responsabilidade de todos.

As empresas devem cultivar essa cultura dentro de sua organização se quiserem lidar efetivamente com o cenário de ameaças em constante mudança e aumentar a confiança. Além disso, muitas organizações hesitam em falar que foram vítimas de um ataque cibernético por medo de que isso possa resultar em perda de reputação, receita e confiança entre os clientes.

O primeiro passo é instruir os funcionários sobre os princípios da segurança cibernética. Os funcionários devem ser treinados para identificar e-mails de phishing, reconhecer técnicas de engenharia social e entender a importância de senhas fortes e da proteção de dados. Ao incutir a conscientização e o conhecimento sobre segurança cibernética, as organizações podem capacitar seus funcionários a serem a primeira linha de defesa contra ameaças cibernéticas. As organizações devem incluir e empregar em todos os departamentos líderes dedicados à segurança cibernética que possam promover mudanças, garantir a adesão às políticas de segurança e manter a transparência em toda a organização.

Embora uma cultura que prioriza a segurança possa ser desafiadora no início, ela é benéfica para sua organização a longo prazo.



O papel do Zero Trust na construção da confiança

O Zero Trust desafia a arquitetura de segurança tradicional baseada em perímetro. O termo, originalmente criado pela Forrester Research, baseia-se no princípio "Nunca confie, sempre verifique". A segurança Zero Trust é uma arquitetura de segurança de TI que verifica rigorosamente as identidades de cada pessoa e dispositivo que busca acessar recursos em uma rede privada, estejam eles dentro ou fora do perímetro de rede.

O acesso à rede Zero Trust (ZTNA) é a principal tecnologia associada à arquitetura Zero Trust, mas o Zero Trust é uma abordagem holística da segurança de rede que incorpora vários princípios e tecnologias diferentes. Esse método adiciona uma camada de proteção para limitar a possibilidade de movimento lateral em uma rede, minimizando potencialmente os efeitos de uma violação de segurança.

De acordo com os insights revelados por este relatório da Gartner sobre ataques de ransomware, 60% das organizações adotarão o Zero Trust como ponto de partida para a segurança até 2025. Uma pesquisa recente da IDC também revelou que 77,8% das empresas do setor BFSI já implementaram soluções e políticas que permitem o perímetro definido por software, enquanto 52,2% estão pensando em adotar e investir em componentes SD-Branch e 54,4% estão planejando implementar uma arquitetura Zero Trust e investir em soluções de segurança relacionadas.

As estratégias de segurança tradicionais não são mais adequadas para proteger as organizações das ameaças cibernéticas complexas e mutáveis de hoje. Em um mundo em que os ataques podem surgir tanto de fontes internas quanto externas, a abordagem de segurança baseada em perímetro, que depende da confiança das entidades dentro da rede, não é mais viável. Uma abordagem Zero Trust é ideal para as organizações porque pode ajudar significativamente a promover uma cultura que prioriza a segurança no local de trabalho, aumentando a produtividade, a transparência e a autenticidade dos dados.

Cada funcionário dentro do perímetro de rede deve primeiro autenticar sua identidade antes de receber acesso a informações confidenciais, o que impõe responsabilidade e deveres da parte do funcionário.

Um modelo de segurança Zero Trust oferece inúmeras vantagens além das soluções de segurança tradicionais, incluindo:

  • Produtividade aprimorada: ao contrário dos modelos tradicionais, o Zero Trust minimiza os possíveis danos aos ativos digitais e às credenciais, limitando o acesso às informações críticas. Isso permite que as equipes trabalhem remotamente, levando a um aumento da produtividade.

  • Maior confiabilidade: as estruturas de segurança tradicionais geralmente têm dificuldades para lidar com algoritmos complexos usados por sites e navegadores modernos. Por outro lado, o sistema Zero Trust verifica usuários e dispositivos minuciosamente, permitindo uma navegação mais suave e uma melhor experiência do usuário.

  • Transparência: o Zero Trust permite que as organizações verifiquem os usuários em todos os estágios, possibilitando a detecção de comportamentos incomuns e a mitigação imediata de possíveis violações de dados.

  • Proteção e autenticidade dos dados: o Zero Trust impede que os invasores obtenham acesso não autorizado a ativos digitais e acrescenta camadas de verificação adicionais para combater tentativas de phishing.

  • Riscos reduzidos: com uma rigorosa verificação de identidade e acesso, o Zero Trust reduz significativamente o risco associado ao acesso não autorizado aos ativos. Isso também simplifica o rastreamento e a avaliação das violações de segurança.

Em uma era em que as violações de dados e os ataques cibernéticos são generalizados e predominantes, as organizações precisam de uma estratégia de segurança proativa e abrangente, como a Zero Trust, para proteger seus ativos valiosos, proteger os dados de clientes e manter a confiança das partes interessadas.

A criação de uma organização confiável com Zero Trust exigirá uma mudança cultural para uma mentalidade que prioriza a segurança, na qual a segurança é responsabilidade de todos. Ao implementar essa abordagem de segurança, as organizações podem fortalecer sua postura de segurança, estabelecer confiança com as partes interessadas e se proteger melhor contra ameaças e ataques cibernéticos. O Zero Trust é um processo contínuo, e as organizações devem permanecer vigilantes na atualização e avaliação de seus controles de segurança para se manterem à frente das ameaças emergentes.

Este artigo é parte de uma série sobre as tendências e os assuntos mais recentes que influenciam os tomadores de decisões de tecnologia hoje em dia.

Este artigo foi originalmente produzido para a CIO Influence



Principais conclusões

Após ler este artigo, você entenderá:

  • A mudança necessária para criar uma organização confiável com Zero Trust

  • Uma cultura que prioriza a segurança é aquela em que a segurança é responsabilidade de todos

  • As estratégias de segurança tradicionaisnão são mais adequadas para proteger as organizações das ameaças cibernéticas complexas e mutáveis de hoje


Recursos relacionados


Receba um resumo mensal das informações mais populares da internet.