O que são taxas de saída de dados?

A maioria dos provedores de nuvem cobra taxas de saída, também conhecidas como taxas de largura de banda ou de transferência de dados, para retirar dados de seu sistema.

Objetivos de aprendizado

Após ler este artigo, você será capaz de:

  • Definir taxas de saída de dados
  • Entender a diferença entre a entrada e a saída na nuvem
  • Descrever o possível custo das taxas de saída
  • Explorar como reduzir ou eliminar as taxas de saída

Conteúdo relacionado


Quer saber mais?

Assine o theNET, uma recapitulação mensal feita pela Cloudflare dos insights mais populares da internet.

Consulte a política de privacidade da Cloudflare para saber como coletamos e processamos seus dados pessoais.

Copiar o link do artigo

O que são taxas de saída de dados?

As taxas de saída de dados são cobradas pelos provedores da nuvem para mover ou transferir dados do armazenamento em nuvem onde foi feito o upload deles. Estas taxas, também conhecidas como taxas de largura de banda ou de transferência de dados, são separadas das taxas que as organizações pagam pelo armazenamento e pela computação em nuvem.

O armazenamento em nuvem e outras tecnologias em nuvem permitiram que desenvolvedores e empresas escalassem rapidamente, acelerassem a inovação e, historicamente, reduzissem custos. Muitas vezes é mais barato armazenar dados e executar aplicativos na infraestrutura de terceiros em vez de comprar, manter e substituir a infraestrutura no local.

No entanto, a enorme popularidade do armazenamento em nuvem vem com uma desvantagem: obter os dados.  A saída é o processo de recuperação dos dados do serviço no qual foi feito o upload desses dados e a maioria dos provedores de nuvem cobra uma "taxa" por essa transferência de dados.

As taxas de saída de dados podem não ser necessariamente uma grande preocupação para os usuários que apenas armazenam e acessam uma quantidade limitada de dados em nuvem e estão interessados apenas em utilizar uma única arquitetura de nuvem. Entretanto, as taxas de saída podem impedir que as organizações aproveitem ao máximo os benefícios da nuvem e, em última análise, aumentar os custos de TI.

O que é entrada e saída para o armazenamento em nuvem?

Obter dados dentro e fora da nuvem é parecido com visitar outro país. Por exemplo, cidadãos americanos com passaportes válidos podem entrar em muitos países gratuitamente; no entanto, eles têm que pagar uma taxa em certos países para sair. Como turistas, eles estão presos a menos que paguem a taxa de saída.

No mundo do armazenamento em nuvem, a entrada são os dados ou tráfego que entram nessa infraestrutura em nuvem, e a saída são os dados que saem dos limites dessa infraestrutura em nuvem.

Geralmente, é gratuito para desenvolvedores ou empresas moverem seus dados para o armazenamento em nuvem (como o armazenamento de objetos Amazon S3 ou Azure Blob Storage). Esta é uma tática comercial deliberada que incentiva novos usuários a usar o serviço, quaisquer custos associados são efetivamente absorvidos pelo custo consolidado do serviço.

As formas comuns de entrada de dados incluem:

  • Conteúdo gerado pelo usuário — Existem milhões de aplicativos no mundo, e muitos deles coletam alguma forma de dados do usuário, desde estatísticas de uso até dados de localização e muito mais.
  • Pipelines de dados — Um pipeline de dados é como uma linha de montagem de dados, transformando e processando dados brutos ao longo do caminho até atingir um estado utilizável em seu destino final.
  • Uploads em massa — Os provedores de nuvem oferecem diferentes métodos de upload e transferência de grandes quantidades de dados para processamento em massa.
  • Mudanças no site devido a novos conteúdos — As atualizações do site podem levar à geração de novos ativos de aplicativos, incluindo imagens, JavaScript e arquivos CSS; novos dados também podem incluir adições periódicas, tais como novas imagens ou vídeos de produtos.

Entretanto, para tornar os dados armazenados em nuvem utilizáveis para apresentar de volta aos clientes (através de um site personalizado, por exemplo), ou de outra forma usados ou manipulados, eles precisam ser recuperados via saída. Exemplos de cenários em que uma organização precisaria de saída de dados (ou largura de banda) de seu armazenamento em nuvem incluem:

  • Usar os dados para responder a solicitações HTTP para ativos de aplicativos de um usuário ou rede de distribuição de conteúdo (CDN)
  • Conectar os dados a diferentes aplicativos
  • Baixar os dados da nuvem para a memória local
  • Mover os dados para outra zona de disponibilidade com o mesmo fornecedor
  • Transferir os dados para outro fornecedor de nuvem

A maioria dos provedores cobra taxas de saída por esta transferência de dados quando ela sai de sua rede. Digamos que os dados de emissão de bilhetes de uma companhia aérea dos EUA estejam hospedados em uma instalação na Virgínia e um usuário que planeja voar da Austrália visite seu serviço. Embora o provedor de nuvem esteja usando seu próprio backbone global para transportar o tráfego pelos Estados Unidos e depois pelo Pacífico, ele pode cobrar para mover os dados entre os dois locais.

As taxas de saída são uma forma sutil para certos fornecedores cobrarem mais pelo gerenciamento de nuvem ao longo do tempo, ao mesmo tempo em que desencorajam os clientes de deixar seu ecossistema. As taxas quase sempre aumentam com o tempo: à medida que uma empresa se torna mais dependente da nuvem, o custo da saída aumenta. Quando a diversidade e a sofisticação da pilha de TI de uma empresa aumentam, naturalmente, mais dados precisam trafegar entre mais de seus aplicativos pelas nuvens.

A taxa de saída aumenta porque há mais dados para mover, mas, nesse ponto, o cliente já investiu tanto em sua infraestrutura em nuvem que o resultado é o aprisionamento tecnológico.

Quanto os provedores de nuvem cobram pela saída de dados?

A regra geral é que todo o tráfego proveniente da internet (entrada) para o armazenamento em nuvem entra gratuitamente e o tráfego que sai (saída) é cobrado, se exceder o nível gratuito do provedor. Muitos provedores de nuvem, como o Amazon Web Services, cobram até US$ 0,09 por gigabyte transferido de seu armazenamento, independentemente do caso de uso.

Taxas de saída específicas nem sempre são transparentes e podem ser difíceis de prever. Compreender as cobranças de saída linha por linha pode exigir alguma profundidade de arquitetura de aplicativo e experiência em infraestrutura de nuvem, que nem todas as organizações possuem.

A discriminação das taxas de saída varia de acordo com o fornecedor e se baseia em múltiplos fatores, inclusive:

  • Nível de cliente e tipo de assinatura
  • Volume de dados transferidos por mês
  • A região de origem
  • A origem e o destino dos dados
  • Solicitações de controles de failover
  • Aceleração da transferência de dados

Por que as organizações querem transportar dados para outro fornecedor?

Como observado anteriormente, há muitos cenários em que uma organização precisa da saída de dados. E alguns provedores de nuvem incentivam seus clientes a transferir dados dentro do mesmo ecossistema; por exemplo, se uma organização quiser conectar seu serviço de armazenamento de objetos Amazon S3 ao Amazon's Elastic Compute (EC2) dentro da mesma região, ela pode mover seus dados gratuitamente.

No entanto, não há uma abordagem única para a nuvem. Alguns desenvolvedores ou empresas que estão desenvolvendo sua estratégia de nuvem (ou estão no início de sua jornada para a nuvem) podem preferir usar mais de um ambiente de nuvem, apesar das taxas de saída.

Alguns benefícios de usar uma abordagem de nuvem híbrida (uma mistura de dois ou mais ambientes de nuvem) ou de multinuvem (várias nuvens públicas de mais de um fornecedor de nuvem) incluem:

  • Controle de infraestrutura de TI: uma abordagem de nuvem híbrida permite que as empresas determinem como personalizar suas operações em nuvem da maneira mais eficiente possível.
  • Otimização de desempenho: uma arquitetura multinuvem gerenciada adequadamente permite que desenvolvedores e organizações executem cargas de trabalho exigentes (como arquivos de mineração para inteligência de negócios ou mecanismos de treinamento de IA) nos ambientes mais apropriados.
  • Equilíbrio entre segurança e modernização: setores altamente regulamentados, como financeiro, governo e saúde, exigem que determinados dados confidenciais sejam armazenados no local, enquanto permitem que dados menos confidenciais sejam armazenados em nuvem.
  • Cargas de trabalho imprevisíveis: uma abordagem híbrida ou multinuvem pode ajudar empresas ou governos a lidar com necessidades emergenciais ou cíclicas sem super provisionar grandes quantidades de hardware.
  • Recuperação de desastres: o backup em nuvem e a recuperação de desastres replicam arquivos em caso de exclusão acidental ou corrupção de dados, para que uma empresa possa restaurar os dados de maneira rápida e orquestrada.

Independentemente da infraestrutura escolhida por uma empresa, o armazenamento em nuvem é uma grande mudança quando se trata de implantar, proteger e melhorar continuamente os aplicativos em escala.

Como a Cloudflare ajuda a reduzir as taxas de saída?

A pesquisa da Cloudflare descobriu que reduzir ou eliminar as taxas de saída pode economizar para os clientes entre 7,5% e 27% de sua fatura mensal total.

A Cloudflare oferece armazenamento de objetos com taxa de saída zero por meio de um serviço chamado Cloudflare R2. O R2 permite a recuperação de dados rápida e gratuita e, quando combinado com as funções de código distribuído do Cloudflare Workers, é infinitamente personalizável. A Cloudflare visa ajudar desenvolvedores e organizações a evitar o aprisionamento tecnológico com esse serviço.

Além disso, em 2018, a Cloudflare fundou a Bandwidth Alliance, um grupo de provedores de nuvens que inclui Azure, Google Cloud, Oracle, Alibaba Cloud, e outros. Para ajudar os clientes a economizar nas taxas de saída, os membros da Bandwidth Alliance concordam que os dados transferidos entre qualquer um dos provedores participantes podem ser movimentados gratuitamente ou com desconto.

O Cache Reserve é outro serviço que a Cloudflare oferece para reduzir as taxas de saída. O Cache Reserve ajuda a garantir que os ativos permaneçam em cache na CDN da Cloudflare, mesmo que sejam raramente solicitados, para que não precisem ser distribuídos a partir do servidor de origem do cliente.Isto aumenta a taxa de acerto do cache e ajuda a eliminar as taxas de saída.

Saiba como uma nuvem de conectividade reduz as taxas de saída ao mover dados entre nuvens.